terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Revisando o passado

É engraçado olhar para trás e perceber que tudo o que antes fora planejado, não serviu de nada. Andei vasculhando meus textos antigos e me deparei com o primeiro texto do ano. Ri, e ri muito viu! Nele eu pedia paciência, coisa que realmente, tive muita neste ano porém joguei fora e mandei quase todo mundo ir pra puta que pariu, coisa rara mas acabou acontecendo. Pedi força pra continuar os estudos, o que tive e muita, pois consegui passar esse ano tranquila, mesmo que com dificuldades em relação a faculdade, consegui ultrapassá-las. Fiquei doida para não me apaixonar, para não me entregar a pessoas que não mereciam, mas como eu sou supeeeeeeer, mister besta, acabei me apaixonando não só uma vez, vou até contar oh, foram uma, depois outra vez. Ai me desapaixonei e apaixonei novamente pela mesma pessoa (-.- idiotice eu sei.) e depois disso fiquei descrente e cai na gandaia, e nem tenho vergonha de falar. Perdi muita gente importante para mim este ano e passei a dar valor em outras que deveriam ter um espaço maior na minha vida. Meu time não ganhou porcaria nenhuma e mesmo assim continuo fanática. O Brasil não ganhou nada, eleições uma bosta e está todo mundo batendo palmas pra putaria, enquanto ganhamos um salário mínimo, o tiririca vai ganhar somente 26 mil por mês, sem contar as comissões por fora né. Mas o ano não foi de todo ruim, conheci pessoas maravilhosas, que me ajudaram, me deram força, me fizeram sorrir quando eu precisava e chorar de raiva também, esse tipo de coisa faz parte. 
Morei com minha mãe, morei sozinha, morei com uma tia e fui morar com outra tia, e hoje me encontro em Brasilia passando as férias com meu pai depois de muito tempo sem estar com ele. E confesso que estou doida pra arranjar um emprego bom ano que vem pra poder morar sozinha novamente. Fui em shows muito bons, fiquei de porre mais de uma vez, me envolvi com pessoas em um dia e no outro mal tinha assunto. E não me arrependo de nada do que fiz, não mesmo! 
E tá, vou fazer minhas promessas para o próximo ano, mas essas serão feitas no primeiro post do ano. Tenho que parar para pensar ainda e refletir sobre o que será feito. Eeeee enquanto isso, vou assisti esquadrão da moda e rir da cara da mulherada sem noção. 

Beijo a todos e ótimo ano novo.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Tô em Brasília \o

nhêeeeee, tô em Brasília povo. Terra dos políticos e claro, minha terra também. 
Bárbarela ;)
Depois de 4 anos sem pisar neste lugar, resolvi vim ver meu pai e toda a familia que está por aqui e confesso que me senti uma idiota de não ter vindo antes para cá. É incrível como tudo está mudado, a cidade está diferente e as pessoas também, tenho até que me acostumar com o jeito diferente das pessoas, aquele calor sentimental que falta em Curitiba e até o calor de clima mesmo, tô torrando aqui e irei voltar neguinha no final dessas férias. Estou cheia de planos para o ano que vem, mas esses planos ficarão para o próximo post, que será feito com mais cuidado e atenção. Conheci um monte de primo, e até brinquei, havia tia minha que para mim nem tinha a fábrica de fazer menino e como fizeram menino bonito viu. Um vai ser bombadinho e marrento e o outro pode se dizer que é um semi curitibano, polaco de um tanto, não sei pra quem ele puxou, coisa mais linda, pena que é primo (hohoho). Meu irmão tá gigante, já briguei tanto com ele por causa dessas modinhas de gostar de restart e cine e mais essas porcarias capitalistas, que o coitado até cansou de mim, mas de vez enquando liga querendo vim me ver. Meu bebezinho tá a coisa mais linda, já havia contado que tenho duas irmãs chamadas de Bárbara, mas a mais novinha, a beêzinha dos olhos de todo mundo por aqui, é mais sapeca do que esperado, e por incrível que pareça, ela gostou de mim *0*, pensa na irmã coruja que eu sou, babando nela todo dia a todo momento. Acho que irei permanecer por aqui durante um mês inteiro e pra falar a verdade, nem tenho como saber que dia eu volto, mas eu volto, é certeza! Minhas tatuagens farei no ano novo e quando chegar em casa se não me esfolarem, ficará tudo bem. Afinal, é bom ter 18 anos por isso. 
Quero dizer a vocês que não farei nenhum post sobre o natal e sinceramente, nunca curti muito essa data e decidi que a partir do ano que vem, só farei o que eu realmente gostar, vou parar com essa mania de tentar agradar os outros e vou viver para mim primeiramente. 

Beijos a todos, um feliz natal, um monte de presentes e guloseimas. 

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Não sumi uai.

Quero dizer a todos primeiramente que não sumi. Apenas fui obrigada a dar um tempo, pois com tanta chuva aqui em Curitiba a internet fica fora do ar, no meu caso fiquei sem antena.
Bem, deixando todo mundo a par da situação, vou contar primeiro como foi a aventura Show da Pitty. 
Pitty -"O lobo"
Pra todo mundo que acha que nunca me meto em furada, pois bem, pode cair do cavalinho que me meto em furada sim. O show atrasou umas 2 horas, não foi no dia 10 e sim na madrugada do dia 11. Banda de abertura uma bosta, mas a Pitty sempre faz por valer, cantou um monte de músicas antigas que nem fizeram sucesso e as do cd novo pra não perde o foco. Porém, o bafafá não foi o show em si, e sim na sorte que eu tenho de encontrar pessoas estranhas (conhecidas) que não me deixam em paz. 2 ex! quer coisa pior? Sem contar que ex + cachaça = confusão! Sei que quase saiu porrada, eu ri a beça, meus amigos queriam era quebrar o pau mesmo, rodinha punk e no final de tudo, a festa só fez foi continuar e como meu amigo Diego me perguntou: "A loja da vivo te trás lembranças ruins né Maa?" e eu com um sorriso no rosto respondi:" Já tive tantos momentos que ruins que para chegar a esse nível é preciso muita coisa, e digamos que a madrugada foi a melhor possível, esquecer nunca!. Porém essa parte pode se dizer que é imprópria pra menores, (não peguei meu amigo não ¬¬') e sim... enfim, deixa baixo. 
Dois bestas na entrada do show.
Eeee Doulgas amoor, vou colocar a nossa foto só porque você foi até a entrada do show e simplesmente foi embora coçar em casa,não me vendeu teu ingresso antes e vendeu antes do show pra um cambista pela metade do preço ¬¬' sem contar que me deixou com a piazada e perdeu toda a comédia da noite, na próxima vez, você vai ser obrigado a ir comigo.



Estou de férias já, logo estarei em Brasília com meu papis e o resto da parentada toda. Saudades gigantescas! Saudades das minhas menininhas também, quase 6 meses sem ver minhas irmãs e putz, vou virar o ano sem ver elas, pensa na depressão. Mas existem coisas na vida que não podemos controlar e só o tempo tem a solução. Deixei meus presentinhos de natal pras meninas e espero que elas gostem, mesmo um dos livros sendo estranho de mais. O que vale é a intenção.
Bem, aqui tá chovendo pra caramba, não consigo nem lavar roupa mas já falei da chuva. 
No natal eu dou um jeito de postar algo bunitinho aqui, ou engraçado (?) sei lá, vou zuar um tikinho com aquele velho barrigudo da calça vermelha.

Bjos a todos e boas férias!

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Alívio.

Ahh o alívio!
Depois de 3 semanas de provas, tudo chegou ao fim, e para aqueles pessimistas, não reprovei \o/ E o que tenho pra contar, é que minha primeira experiência em semana de finais do curso.
Como minha querida amiga Amandinha costuma dizer, "pegamos finais porque adoramos a adrenalina". E ela tem toda a razão, a adrenalina come solta, ficamos naquela ansiedade do resultado e sempre com aquele pensamento, "vamos passar, vamos passar, vamos passar... uuuuh passei" Ou o pior "droga, reprovei" (credo, nem quero pensar nisso). Sei que passei um perrengue lascado, 3 semanas sem comer direito, tomando café e coca cola que nem uma louca e roendo todas as unhas que ainda me restavam. Meu maior medo era na disciplina de termodinâmica, que depois do meu fiasco na primeira e segunda prova (4,0 e 5,0) eu com média 4,5 precisando tirar na prova final 5,5 estava mais do que desesperada. Até tinha me esquecido que peguei tantas finais, que deixe-me contar, foram no total 4, contando com a de informática (não riam). Sei que a matéria do Cubano era meu medo, e estudei igual a uma condenada, aprendi a fazer caminho termodinâmico e até aprendi a pensar fisicamente, coisa rara, mas aconteceu. Sei que hoje foi o dia mais feliz e mais triste do curso inteiro, quando vi minha nota em sua mão, e sua cara de "merda, ela passou" quis chorar de alegria. Tirei um 8,0 bem bonito e só não esfreguei em sua cara porque não compensava mesmo, só o gostinho de passar na matéria dele valeu todo o esforço. O chato foi que minhas amigas não foram muito bem e sinceramente, não sei como vai ser meu proximo semestre sem minha Jé meiga e fofa e as covinhas da Amanda. Mas sei lá, rezando para que dê certo para elas também.
Bem, agora é férias, sexta feira tem show da Pitty e se a minha querida amiga não achar os ingressos, prometo que arranco suas covinhas para mim e não devolvo mais.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Acabando

Não te abandonei ok!
A verdade é que abandonei todo mundo durante essa semana. Eita pressão lascada! Parecia gente grande estudando para as provas e no final ver que peguei um monte de provas finais (quem liga?!) mas relaxem que eu acho que consigo ir bem nelas, acontece que com essas provas, terei que te abandonar por mais uma semana ;O judiação.
Tudo bem, durante esses dias eu fiquei que nem uma doida varrida, procurei confusão com todo mundo, tive 6 provas, tô cheia de problemas pessoais, 2 ex me ligaram de uma vez só, pensa na depressão, e pra melhorar as coisas, ainda estou nos meus dias monster (se é que me entendem). Tive vontade de sair correndo gritando na rua, de dar um monte de porrada no meu professor, de mandar alguns amigos tomarem no c* e na verdade eu mandei. Tomei um monte de banho de chuva, fiquei com meu cabelo super coco e neste momento vou dar uma olhadinha nas minhas notas da faculdade. Já contei que me mudei né? mas então, só pra lembrar, eu tô meio desalojada, faz quase 9 meses que não sei o que é ter uma cama só minha, triste né? Pelo menos o bom disso tudo é que eu estou numa boa, agora tudo está voltando ao normal, consegui escrever pro site, estou escrevendo em você e tenho duas noticias boas para contar.
A primeira é que irei no show da Pitty denovo, irraaaaaaaaaa, \o/ vou ver minha musa novamente, vou gritar que nem uma louca e pegar geral shahshahsa (mentira).
A segunda é que era segredo até, mas vou contar. Vou ver meu pai daqui 15 dias, pensa na ansiedade. Depois de 3 anos sem ver meu papis, vou pra Brasília e me aguardem, 1 mês atentando por lá. Mas já aviso que não vou deixar de postar aqui.
Eeeee minhas notas não sairam ainda -.- droga, que ódio de professor que enrrola. Enfim, se cuidem e logo volto com algum assunto interessante.
;*

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Caixa do Nada.

Ahhh galera, que saudades de escrever por aqui. Tudo bem que eu estou em semana de provas e só acabei de fazer os trabalhos hoje, a uns 5 minutos atrás. hehehe, mas vim aqui para relatar sobre o que aconteceu as 9 da manha de sábado.
Meu professor lindo, maravilhoso, me dá um 10. Começou a falar sobre a diferença do homem e da mulher e eu como feminista que sou, distorci algumas coisas e vim falar sobre isso para vocês. 
Começando pela análise, abrindo a mente do homem, é fato que eles separam os pensamentos em caixas. Existe a caixa sobre mulher, caixa sobre futebol, sobre dinheiro, familia, carro e por ai vai. No momento em que homens mantem uma conversa, eles pegam a determinada caixa sobre o assunto e fala somente sobre o assunto, não misturado e fazendo confusão. Já a mulher é diferente, não temos as tais caixas e sim um emaranhado de idéias, que estão todas interligadas entre si.  Mulher quando vai conversar sobre trabalho, acaba falando sobre o carro, que vem acompanhado da familia, da sogra nojenta, das finanças que estão curtas, e é tudo culpa do marido que vai torcer por time que não presta e ainda por cima olha pra mulher dos outros. Percebem como o problema está a vista? Quando um homem conversa com uma mulher sobre um assunto, sempre acaba em briga porque temos a capacidade de fazer com que os assuntos sejam interdisciplinar. Por isso que nunca entenderemos os homens e nem as mulheres. Confesso que nem eu entendo eu mesma e adoro psicologia porque toda doença que aparece contanto que não seja de debilidade mental, eu me indentifico.  O que mais me chamou a atenção em todas as diferenças dos marmanjos com a doçura aparente (veja bem, aparente) das mulheres, foi a tal da caixa do NADA! Essa caixa não contem conteúdo algum, sendo ela totalmente vazia. Os homens a utilizam quando vão pescar, ficam 3 horas esperando o infeliz do peixe fisgar a isca em silêncio, olhando para o horizonte. Neste momento eles estão utilizando a caixa do nada, e só suportam uma pescaria monôtoma porque não pensam em nada. Quando eles estão olhando uma revista (até de cabeça para baixo) e nós pensamos que estão olhando apenas bunda e mais bunda, estamos mais que erradas, é a caixa do nada! Alguns dizem que as mulheres não possuem a caixa do nada, pois mesmo estando inertes, estão pensando em alguma coisa. Ex: mulher lavando louça calada olhando pro nada, neste momento o pensamento é o seguinte " ain meu deus, tenho que terminar logo isso pra ir fazer compras e ir pro trabalho, tenho que passar na famácia e comprar o remédio do zézinho mas tenho que fugir da Maria com aquele papo furado do cara das pernas grossas". Já o homem lavando o carro, pensa no seguinte: "Nada". É meus amigos, conseguiram entender como funciona esse sistema né?! Eu queria tanto uma caixa do nada, principalmente nas minhas aulas de termodicâmica, ou quando fico de vela, me seria muito útil.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Ultimas semanas, contagem regressiva e eu estou podre de cansada. Pela primeira vez vou pegar provas nos dois cursos no mesmo período, ai você imagina, nervos a flor da pele e uma vontade gigantesca de bater em alguém. Mas relaxa que vou superar!
Acontece que peguei um pique no finalzinho do ano e por incrível que pareça, parece que tudo está indo bem.
Prometo que logo voltarei e postarei algo bem interessante, ou algo bizarro.

bjos bjos

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Um sexo diferente


É estranho em uma sociedade como a nossa super preconceituosa, mulher falar de sexo abertamente, porém eu como uma boa menina, que faço todas as lições de casa, li um livro e não aguentei de tanta vontade de dar com a língua nos dentes sobre o seu conteúdo. O nome deste livro é Dos Crimes Sexuais.
Hoje em dia virou uma bagunça, tudo livre, leve e solto. A verdade é que lendo o conteúdo do livro me espantei um pouco. Nele antes de entrar nas partes jurídicas que cá para nós, não interessa muito a não ser que você tenha sofrido algum abuso sexual, mas ai é só procurar um advogado. O interessante são os desvios sexuais, ou as anomalias que segundo o autor são anomalias mesmo. Não vamos exagerar, nem tudo é estranho e diferente, é tudo questão de ponto de vista.
Começando com a hipoestesia e a anestesia sexual. Para quem não sabe, esses dois assuntos dizem respeito da falta ou da diminuição do apetite sexual. É triste porque nunca sabemos quando o cara é broxa,  você está horrível ou ele sofre dessa doença. Já ao contrário disto, a hiperestesia intensifica o apetite sexual, neste grupo se encaixa o priapismo e o satirismo no homem e na Mulher a ninfomania. A coisa é tão louca que até alucinações e imagens eróticas as pessoas imaginam, vai entender né. E o mais impressionante é que esses “desvios” não tem idade e nem classe social (existem doença que só rico tem, fato!), todos nós estamos abertos a elas. Mas o que realmente me chamou a atenção, foi o sadismo e o masoquismo. Confesso que fiquei um pouco chocada e com medo, até porque quando você começa a ler algo que parece com sua realidade, meio que choca. O sadismo nada mais é que você sentir prazer em ver os outros sofrendo, causar a dor alheia e mais um monte de loucuras que só quem é sabe. Já o masoquismo é a estranha sensação de sentir prazer com a dor, seja ela expressa de qualquer maneira. Acontece que a proximidade com a morte é tão grande que pro indivíduo morrer fazendo sexo, pouco custa. Ai é tenso!  Agora você imagina um sadista e um masoquista juntos. Melldells, sai de perto, a casa vai abaixo e pode mandar o  IML atrás porque a coisa vai ser feia, ou bonita, aaah, vocês entenderam. E para quebrar o gelo, deixei por fim o melhor e mais horripilante, a necrofilia. Tudo bem se o cara sente prazer com coisas mortas, mas pow, que sacanagem, tem tanta mulher, tanta gente avuada por aí que hoje em dia nem se precisa pagar, e o que o mané faz? Vai no cemitério e desenterra um cadáver e pimba. Ou pior que isso, mata e depois faz merda. Enfim, é difícil de compreender e talvez seja por isso que não vou pro lado da psicanálise, e estou fugindo do Direito criminal. Cada louco com sua loucura. O pior de tudo é andar na rua, sabendo que todo mundo pode ter uma dessas psicopatias sexuais. Pense a sua vizinha pode fazer parte desse grupo, o seu melhor amigo, a sua mãe, ou até você mesmo! Mas não fique assustado, faça que nem eu, depois de ler e arregalar os olhos, finja que nada aconteceu e continue a praticar o que bem entender, seja feliz oxi, isso é o que importa.
Mas o cadáver da vovó não, respeite os mortos. 

domingo, 7 de novembro de 2010

aos 18

Nhêeeee, agora eu tenho 18 anos, lero lero! Tá grande coisa.
Acontece que nesses dias eu andei tão ocupada e sinceramente, acabei deixando o blog e até a coluna no site meio de lado. Mas hoje vim aqui contar o que andei aprontando.
Sexta feira, dia de estudar e nem adiante reinar e faltar porque era aniversário. Sabadão fui direto pra PUC fazer minha prova do enem, acontece que como eu sou super azarada, peguei a prova amarela e me ferrei bonito, porque eu nunca vi tantos erros. Ridículas e espero que anulem, é uma falta de respeito com quem foi e fez as provas e corre o risco de ser prejudicado. Depois fui pro matsuri porque sou filha de Deus também e merecia me divertir. Acabou que fomos parar no centro cívico, assistindo o show do Roberto Carlos e depois Pato fu. Tudo bem que não assisti o do Pato Fu porque estava sem condições de me aguentar em pé. Chego em casa as 1 da manhã e durmo pro outro dia voltar pra enem 2. Acordei as 6 com dor de estômago, fui fazer a prova, terminei e acho que fui bem até. De lá matsuri parte dois e voltei pra casa. Confesso que fui ter uma refeição completa somente a 2 horas atrás, em 2 dias. Esqueci que tenho que comer pra sobreviver, esse tipo de coisa acontece. Comemorei a berça e agora estou aqui, podre por dentro e por fora, cansadérrima e morrendo de sono.
Só antes de terminar esse post, quero agradecer aos meus amigos bestas que estiveram comigo no sabadão e tomaram conta de mim. Sem vocês eu fico sem uma perna e caiu de boca no chão, isso é fato!

Bem, foi isso.

Jooogo

Pooooovo, nhêe, antes de contar como foi meu niver, reclamar do enem e dizer como está sendo meu feriadão, vou responder um jogo que recebi da dona do Blog Jogando de salto alto.        http://japiinha-jogandodesaltoalto.blogspot.com


7 coisas que tenho que fazer antes de morrer:
  • Correr pelada pela rua 
  • Ir no show da Rita Lee
  • Terminar meus cursos e ser bem empregada
  • Casar *0* 
  • Visitar o mundo
  • Crescer mais uns 4 cm 
  • E deixar meu cabelo liso
7 coisas que eu mais digo:

  • Meew  -.-
  • Como você é
  • Me liga 
  • Sai daqui 
  • Não sou safada (não sou mesmo, rum) 
  • Beeeesta
  • Que sacanagem
7 coisas que eu faço bem:

  • Cortar o cabelo dos outros e o meu *0* 
  • Falar sem parar
  • Abraçar *----* 
  • Economizar
  • Fazer trabalhos acadêmicos (se quiser só entrar em contato)
  • Coisas que não posso comentar aqui ;x
  • Contar histórias estranhas e momentos inadequados 
7 defeitos meus:

  • Ciumenta
  • Chata (sempre) 
  • Maquiavélica
  • Arrogante 
  • Bicuda
  • Dou muito valor em quem não merece
  • Ser muito sincera e realista, isso me mata.

7 coisas que amo:

  • Minha família 
  • Estudar *0* 
  • Escutar música
  • Escrever
  • Andar sem rumo
  • Lutar 
  • Ler livros \o/

7 qualidades:

  • Leal
  • Companheira
  • Inteligente (mentira) 
  • Persistente 
  • Sincera
  • Humilde (mentira)
  • Criativa

7 pessoas que farão esse jogo:

E tá, preguiça de escolher o resto .-. 


terça-feira, 2 de novembro de 2010

Quem sabe um dia talvez

Faz um tempo e eu tento ignorar, tento abafar o que sinto, mas confesso que é difícil de lutar contra tudo isso. Meu maior problema está dentro de mim mesma e sei que é difícil desviar de mim. Não vou mais tentar fugir, ou simplesmente forçar uma situação que nunca irá acontecer. Sei até onde vai meu limite e acho que estou perto dele neste momento. É engraçado, mas mesmo minha felicidade dependendo da infelicidade alheia, eu sempre segui em frente e nunca me importei com o que os outros iriam pensar, afinal, todos nós temos desilusões e somos obrigados a conviver com elas, alguns com mais frequencia que outros, mas todo mundo sofre.  Só que desta vez é diferente, me sinto de mãos atadas e não sei se me afastar será o mais correto. É amigos, esse lances do coração é uma praga! Mesmo eu correndo e fingindo que nunca senti nada, a verdade é que nunca deixei de gostar de ninguém em relacionamentos passados. Sempre continuei gostando e ainda continuo, a grande diferença de um para outro, além do meu ego ferido, o orgulho e a falta de oportunidade, ainda me sobra a confusão de sentimentos quando sou bombardeada pelo passado. Nossa vida poderia ser igual a um rio, onde a água corre nunca voltando ou deixando algo para trás, leva tudo consigo. Mas para minha desgraça, a paixão não é bem assim, elas não são tão passageiras e mesmo outra a substitua, já será tarde de mais, você sempre terá cartas, mensagens, fotos e sua memória, pior coisa não há! Em uma colcha de retalhos então você se transforma. 
Queria muito que não existisse as lembranças, que não existisse a distância e que não existisse os outros. Queria muito não me apaixonar, não sofrer por causa de pessoas que não merecem e não ser tão exigente, não ficar a espera da pessoa perfeita. Porém não sou assim e a realidade é que tenho o dom de me apaixonar por quem não presta, isso mesmo, sempre pela pessoa errada. 
Agora as coisas irão mudar, vou me espelhar no rio e não guardar lembranças que sei que serão repassadas depois. Quero simplesmente viver e quem sabe um dia eu tenha a oportunidade e a sorte da distância não atrapalhar, das pessoas se desprenderem de todos os pensamentos antigos e inadequados e que tudo dê certo. Enquanto isso eu ainda idealizo a pessoa perfeita e faço comparações fúteis e tento entender o que realmente me agrada. 

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

E a vitória vai para a vencedora

Depois da vitória de domingo da nova presidenta do Brasil, Dilma (Ro alguma coisa) uma onda de comunidades e pessoas indignadas no orkut resolveram darem as caras. Poxa gente, a vida é assim mesmo, uma hora uns perdem e outra outros ganham, simples assim! A verdade é que todo mundo já sabia que Chuck iria ganhar, que seus truques e táticas de guerrilha a levariam ao poder. Sem contar com um leve (?) empurrão do Lula, que só faltou prega a mulher na presidência. 
Como a bicha feia ganhou, e não tem como voltar atrás e pensando melhor, é melhor nem voltar mesmo, a unica coisa que temos que fazer é cobrar dela o que foi prometido para nós. Quero sim a legalização do aborto em casos excepcionais, mais bolsas prouni e o casamento gay, e ai dela se não cumprir o ultimo listado. Espero que ela não quebre com o Brasil e que faça uma boa serventia do poder que lhe foi concedido. Que não privatize nada, que abra um monte de concurso público, porque pobre só sobe de vida se estudar ou se virar político, e eu quero muito arranjar um pé de meia também. 
Aí, olhando no msn e rindo da cara do povo só agora indignado e vi o seguinte subnick, "E agora quem vai ser a primeira dama da Dilma?". Confesso que chorei de rir e parei pra pensar. Mas e agora, quem será?

*mistério*

sábado, 30 de outubro de 2010

Adaptação

Depois de muito tempo aprendi que tudo na vida é adaptável e você depende dessas adaptações para sobreviver. Horários, pessoas, ambientes e até mesmo a comida. Estamos em um mundo totalmente hostil, em que se você bobiar vem um e pisa na sua cabeça. Não estou sendo radical, apenas realista. Há situações no nosso dia a dia que nos obrigam a ficar de cabeça para baixo e bolar um plano para fugir ou encarar de vez os problemas. Geralmente eu diria para se estufar o peito bota pra quebrar! Mas ando tão mal exemplo, que falar isso seria cínico da minha parte. Então digo que fuja! Fuja dos problemas e de tudo que cheira a confusão, continue levando a sua vida como se nada estivesse acontecendo e abra o maior sorriso que você tiver. Se alimente bem para não ficar doente e sorria, mesmo que por dentro você esteja péssima. Procure abrigo em abraços alheios, mesmo que você nem conheça a pessoa, simplesmente abrace-a, isso vai te fazer muito bem. E não deixe de fazer nada que te faça feliz e que te deixe distraido. Os problemas sempre existirão, e você pode ter certeza que depois de se divertir, de continuar sua rotina, eles estarão lá te esperando, para em um dia, de preferência aquele em que o problema estiver te engolindo pela cabeça te impossibilitando de de respirar, você resolve eles. Pronto, pare de perder tempo se martirizando porque tem mil e uma coisas para resolver. Problema que é problema sempre estará contigo, melhor que família até, eles nunca te largam. 
Agora voltando ao início do texto, quero dizer que aprendi a me adaptar com meu cacto. O bichinho andava tão tristinho, antes tinha 4 florzinhas vermelhas (pra combinar com a mãe *0* ) e era verdinho. Ai mudei de casa e coloquei ele sobre uma mesinha em que a meninada encapetada vivia colocando a mão nele. Pensei comigo mesma, ele vai se adaptar a todo esse assédio, vai se virar sozinho. Até que em uma noite eu sonhei que tinha jogado ele pela janela! Quando acordei, fiz questão de dar uma ajuda pro meu bebê e coloquei ele em baixo do monitor do pc, pra ficar de olho mesmo e resguardá-lo das crianças pentelhas.  Até que meu bonitinho gostou do lugar, um espaço escuro porém quente onde ele se adaptou muito bem. Começou a se recuperar e hoje ele está com uma espécie de chifres, sei lá como se chama isso não sou especialista em cactos, só sei que tá lindo, dá até orgulho de ver. 
Talvez em outras vidas eu queira nascer em forma de cacto. E vou querer ter uma mãe igual a mim, não seria uma péssima idéia. 



terça-feira, 26 de outubro de 2010

O grande teatro está perto do fim.

Depois de mais um debate eu vim aqui falar novamente sobre a política. Infelizmente, não posso dizer que temos grandes candidatos, a política no Brasil a muito tempo está defasada. Ok, fiquei até as 23 horas esperando a Fazenda terminar (paciência) e tive que perder meu grande programa de humor (CQC) e confesso que estava ansiosa para ver o José Serra e a Dilma duelarem. Sim, acho que foi o maior tédio do mundo. Não vou dizer que sou a favor da Dilma, até porque morro de medo daquela voz sexy dela, mas não consigo esquecer tudo o que aconteceu no governo do FHC e muito menos da cara lavada do Serra. Não estou aqui para jogar pedra em ninguém, só estou falando a verdade que está presente e que muitos fecham os olhos e preferem não ver. 
Voltando ao debate, é perceptível que o candidato tucano correu de certas questões, sobre o Prouni e chegou a ser ridículo as críticas a saúde, até porque ele poderia muito bem, depois de todos esses anos, ter tomado uma providência e ajudado a melhorar esse problema que o brasileiro passa. Porém, já está mais do que claro que político nenhum não faz nada em prol do povo, sem ter algum interesse em jogo. Então nessa reta final, é de grande prioridade atacar o governo atual, por áreas defasadas, sendo que essa questão já está tão enraizada nos governos anteriores que não percebemos, temos um grande problema de perda e memória e esquecemos com facilidade o que não nos interessa. 
É claro que a Dilma não é uma santa e deixo bem claro aqui, que nosso presidente foi infeliz na escolha de um sucessor. Percebemos que a falta de carisma e até mesmo de diálogo, é evidente. Deixar a Dilma é a mesma coisa que deixar o Lula, e chego a pensar que se a coisa está ruim nesse governo, deixa tudo como está porque pelo menos conhecemos com quem estamos lhe dando.  
A verdade é que achei tudo um saco, esse papo de privatização é ridículo! Pronto falei. Esse lance de acusar e ficar perseguindo o defeito alheio, é tão feio. Mais feio ainda é entrar em uma livraria e ver revistas, que deveriam ser fonte de informação, bombardeando o povo, enchendo o saco, direita e esquerda, pow até a informação está sendo controlada em busca de votos. 
Enfim, estou agora, assistindo as 9:30 da manhã a gravação do debate, porque ontem estava tão emocionante, que acabei indo dormir. Afinal, é tudo tão previsível, que até já sabemos as falas do grande teatro. 

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Com relacionamentos, eu aprendi que?!

É engraçado como passamos por relacionamentos e sempre quando chega ao fim, chegamos também a algumas conclusões. É certo dizer que aprendemos vivenciando momentos e que nunca mais iremos repetir nossos erros, mas esse é o maior erro, porque mesmo que você tente, é inevitável não cometer erros, ainda mais aqueles que já estão acostumados com você.
É incrível como todo mundo tem um padrão. E não é aquele de metade da laranja, ou tampa da sua desgastada panela, e sim aquela pessoa que faz seu coraçãozinho bater mais forte e seu mundo ficar cada vez mais GAY. Irei me pegar como exemplo, todos sabem que sou um tanto osso duro de roer, que sou um tantinho egocêntrica e muito mandona. Pois bem, sempre digo que preciso de uma pessoa tranquila, que esteja ao meu lado sempre e que me entenda, mas que nunca me questione. Porem o que acontece é totalmente o contrário! Sempre me apaixono por pessoas mais egocêntricas que eu, com nada na cabeça, que são apegadas à coisas fúteis e o pior, que gostam de alguém que mora longe (mimimi). Isso me mata de raiva! Como que pode uma pessoa trocar o real pelo irreal?! isso me soa um tanto estranho sabe. Mas então, antes que me joguem pedra e que venham falar abobrinhas no msn, essa é a mais pura verdade. Ai quando a pessoa certa aparece, o que eu faço? Eu fujo, com medo de ser a errada novamente. 
Ai me vem aquela pergunta, com relacionamentos anteriores, eu aprendi que ... Perco tempo com pessoas que não merecem, que tenho o dom de me apegar ao errado e ao que irá me fazer mal, que não tenho paciência quando não estou interessada, que sexo é bom mas eu prefiro uma conversa amistosa vendo um filme besta (mentira), e que apesar de sempre quebrar a minha cara, eu continuo me atraindo pelas pessoas mais estranhas e incompreensíveis que conheço. 
A verdade é que o príncipe encantado nunca chega, só me aparecem sapos deficientes. O príncipe encantado nunca me agrada, e nem sou eu quem dito as regras, as coisas simplesmente acontecem. É tudo um padrão. E sei que com você acontece a mesma coisa, e não pense que é culpa da procura insustentável pelas características do ex, e sim um padrão que você segue. 
Cheguei a conclusão de que o dia em que uma pessoa interferir no seu padrão, irá ser o dia mais inesquecível da sua vida, e preste bem a atenção, pois provavelmente esta pessoa grudará em você e te deixará marcas definitivas. 
Como eu continuo no meu mesmo padrão, com mais paciência do que nunca, fico só na espreita, esperando o momento certo de ficar GAY novamente.  

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

sumidona

Bebêee, meu cuti cuti, sinto como se estivesse te perdendo.  Desculpa meu amor, por passar pouco tempo contigo, por não estar tão presente em seus miseráveis meses, ou ano, na verdade não sei, sou péssima em contas e lembranças. A verdade é que ando tão ocupada e tão sem criatividade, que prefiro não ficar te enchendo de porcarias. As novidades da semana são as seguintes: sai um monte com meus amigos, comecei a trabalhar no meu trabalho de brincadeirinha e por fim, estou ruiva novamente. E antes que você estranhe, não estou laranja e nem rosa, tá meio rosa, mas bem mais ruiva! Nessa semana cheguei a conclusão de que o amor é uma bosta, que eu não estou apaixonada e que preciso conhecer gente nova. Descobri que tenho uma professora paty, um metaleiro e uma emo. Adoro a diversidade e estou muito bem assim. Aprendi que não devemos correr atrás de quem corre de mim e que devo dar valor em que está ao meu lado.  
E prometo que logo venho com um belo e lindo texto e coloco ordem nesta budega aqui! 
E aproveitando o minuto The Fame, quero mandar um beijo pra minhas meninas e um pro meu pai, é ele existe e está mais do que presente. 

bjos a todos.  

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Era uma vez

Era uma vez uma menina tímida. 
Todos achavam que ela era super descolada, falava alto e gesticulava muito. Adorava contar casos e história para fazer os outros rirem, esse era o seu propósito.Ela se divertia divertindo os outros e mesmo que não fosse a maior comediante do mundo, suas piadinhas irônicas faziam feliz os mais inteligentes. Só que ela tinha um problema, quando o assunto era relacionado ao seu coração, ela se perdia, se fechava e se escondia. Ficava sem voz e as coisas mais toscas do mundo ela fazia. Até ensaiou mandar um bilhetinho dizendo algo bobo, mas depois ficou sem chão porque não sabia o que fazer. Não era a hora certa. Vai ver a hora certa não iria chegar nunca e se dependesse de sua capacidade de se aproximar do avestruz que se enfia em baixo da terra, ela não chegaria a lugar nenhum. 
Pessoas tímidas sempre ficam em segundo plano. A amizade sempre lhe é bem vinda e amores arrebatadores lhe fogem do controle. Talvez nem seja culpa do rosto pegando fogo e sim do medo de relacionamentos. Relacionamentos frustrados é pior que a incapacidade de se apaixonar. Ai vem o problema, quando uma pessoa que nunca se apaixona realmente, de repente se vê apaixonada por alguém estranho, que foge das suas perspectivas, prefere correr, correr talvez seja melhor do que se arriscar. 
Era uma vez uma menina tímida, que ao perceber que nada daria certo, pegou seu lado vergonhoso e deixou de lado para tentar viver. E quem sabe viver um grande amor?

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

As coisas como são

Queria que o mundo fosse perfeito. Que as pessoas se respeitassem e umas gostassem das outras. Sei que nem tudo é perfeito, e que não existem contos de fadas. Sei que o iludido sempre irá existir e tenho a sorte de estar sempre neste grupo. É engraçado como todos nós estamos sempre em busca do melhor, do que achamos que seria o normal e por incrível que pareça, não quero ser normal, não quero ser mais uma e tenho pavor de ser classificada como tal.
A maior desgraça da humanidade é o poder do não esquecimento. Em vez de esquecer tudo o que já aconteceu, só acumulamos e deixamos a vida nos levar. E se essa não for a solução para os problemas?
Eu queria viver em uma história, onde tudo era perfeito. Onde o Era uma vez era o início, no meio o lobo mal vinha e comia a vovozinha e no fim aparecia um príncipe encantado e lhe pedia em casamento e dizia aquela frase "Fica comigo para sempre". A verdade é que o Era uma vez sempre acontece no meio, o príncipe vira seu maior inimigo e você acaba cansando com o lobo mal, porque foi o único traste que lhe apareceu a tempo de não ficar para titia.
Não quero uma história assim, sei que tudo está premeditado e que todo movimento que eu faço para mudar o meu futuro é em vão. Vivo em uma linha já traçada, onde cada passo errado que irei dar, faz parte dos planos. Os erros que hoje eu cometo, irá refletir lá na frente, mas sei que os erros que não irei cometer, irão refletir muito mais. Não quero o certinho, nem o imposto pela sociedade. Não vou ser uma anarquista e nem levantar bandeiras alheias. Não faço parte de nenhum movimento sem terra e nem de movimentos gays. A falta de paciência me impede de fazer coisas melhores para o mundo e meu egoísmo é tão grande que me nego a ir contra meus princípios internos.
Um dia ainda escreverei uma história da menina que foi contra tudo para tentar ser feliz, e que quando chegou no meio do caminho quis voltar atrás mas seguiu em frente porque a sua linha do destino já estava traçada. Ela nunca quis ir contra a natureza humana e se desfez de toda a fantasia que antes a cobria e decidiu tentar viver a realidade, aceitar as coisas como realmente são. A realidade nem sempre é dolorosa, o lance é não fechar os olhos e não sonhar acordada. Nesse mundo em que vivemos, quem ficar inerte por muito tempo é deixado para trás. Ou como dizem alguns colegas "piscou, perdeu"!

Decidi colocar palinhos nos meus olhos para não piscar durante o teatro de fantoches. Não quero perder nada, para que no fim do dia eu possa deitar na minha cama com a mente vazia e ter bons sonhos.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Sem chances para o amor.

Tudo bem, antes que comecem a dizer que eu sou uma abobada, quero dizer quais as minhas razões para não acreditar muito em certas coisas. Não vou entrar no mérito da religião, meus maiores problemas passam bem longe dela, a verdade é que tenho um grande problema quanto a relacionamentos. Não dou sorte mesmo!
Conversando com amigas, elas me questionaram porque eu nunca invento de ficar com quem gosta de mim, a verdade é que eu sou um tanto masoquista e gosto de sofrer e sabe que no fundo o meu coração prefere os impossíveis. E minhas experiências que antes eram sofridas, agora são cômicas e eu mesma consigo rir da minha própria desgraça. Não posso achar que o culpado sempre foi o outro, até porque não sou flor que se cheire, reconheço meus defeitos e tento melhorá-los, só que a cada passo positivo, acabo caindo por algo nada haver com o erro anterior. 
Tenho problemas sérios com 2 fatores que me perseguem. A cidade de São Paulo e a Internet. Nem vou mencionar quantos relacionamentos que acabaram e outros que nem chegaram a começar por causa desses benditos probleminhas. 
Sabe, depois que eu aprendi que nada é de ninguém e que eu tenho a incapacidade de segurar as pessoas ao meu lado, eu percebi que é melhor assim. Mesmo que eu fique sozinha e seja por enquanto apenas um pedaço da vida de alguém, que simplesmente passa, eu não ligo, porque quando chegar a pessoa certa, eu não vou ser mais uma qualquer, eu vou ser unica e é isso que importa. 
E quanto aos amores que estão presentes, que eu forço para passarem e eles acabam entrando em um ciclo vicioso de ir e vir, eu simplesmente deixo acontecer, vai que uma hora a pilha acaba e a pessoa se vai de vez ou fica para sempre. 
Enquanto eu vivo nessa de vem e não fica, vou dando prioridade a outras coisas que sempre fizeram mais sentido para mim. Vou ler meus livros que comprei na Bienal e dar água pro meu cacto para ele não morrer seco.  

terça-feira, 5 de outubro de 2010

ET

Querido amigo ET, estou te esperando faz tempo e você nem para me dar uma justificativa do porque não veio. 
Eu achei que logo você viria e cumpriria o que me prometeu. Não pense que eu esqueci, não mesmo! Você me conhece o suficiente para saber que sou osso duro de roer, e só você consegue ultrapassar essa minha mascara de turrona. Poxa, queria tanto que você tivesse já aqui, ai eu poderia ir na Bienal como eu tinha planejado. Poderia fazer minhas maluquices que nenhum outro amigo topa. Poderiamos cantar xuxa, ou até mesmo ursinhos carinhosos. Porque só você sabe o quão criança eu fico quando entro na sessão de brinquedos das Americanas. 
Você iria me fazer companhia quando eu voltasse da facul tarde da noite e provavelmente eu iria te defender dos mendigos e tarados locais. 
Você me daria cola nas provas da faculdade e colocaria mais sal na minha água que sempre ofereço a meu professor traumatizado. Com certeza iria me ajudar nas paqueras e iria arrebentar a cara de quem pisar no meu pobre coração. 
Tudo bem que você seria meu próprio espelho, mas é pra isso que os ETs servem, para não nos sentirmos tão solitários, estranhos e mal compreendidos. Ainda tenho a esperança de que você irá vim pra gente bater um papo meio pornográfico ou posso falar de política, mesmo que a primeira opção seja mais atrativa. 

Te espero amigo, não demore mais. 

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Desabafo .-.

Não vim aqui para falar o quão irritada eu estou com a política e com os brasileiros. Depois de ver Requião, Mulher do Roriz indo pra segundo turno, parentes de Sarney se elegendo e o pior, o mais votado do Brasil para deputado Federal, acabou sendo o Tiririca que como ele mesmo já dizia, não vai fazer merda nenhuma lá e ganhar um baita salário. Cheguei a conclusão de que brasileiro gosta mesmo é de tomar no cú! E me desculpem o palavrão, mas nessa budega aqui quem manda sou eu, e aqui falo o que eu quero e o que eu sinto, e neste momento é esse " pisa na cabeça de gente burra", entenderam né?
Bem, vim aqui dizer que estou ótima, tendo minha semana de provas e indo muito bem por sinal. Acho que tenho que tomar um rumo para minha vida, estou meio que perdida e nem ao menos sei como me achar. Vai ver já estou no caminho certo, mas sabe quando bate aquela sensação de que está tudo fora de seu lugar? Pois é, difícil viu, só sei que decidi a um certo tempo deixar a vida se encarregue de resolver todos os problemas. Não irei fugir de nenhum, mas sei que não tenho emocional para lhe dar com eles agora. Uma pessoa me disse algo durante essa semana que me fez refletir muito e ver que é aqui onde eu quero estar. Ela me disse o seguinte. - Mayã, olha, a coisa mais corajosa que uma pessoa pode fazer na vida, é correr atrás de seus sonhos, mesmo que machuque pessoas que ela ama e que possui uma importância imensa na vida. Mas chega uma hora que o cordão umbilical tem que ser cortado, e você tem que crescer, tem que correr atrás dos seus sonhos e objetivos. Saudade dói, mas é passageira! Amor de verdade dura pra sempre, com certeza pode esperar, e mesmo o choque sendo tão grande nessa sua idade, lá na frente você vai ver que existe muita gente que não teve a sua mesma coragem e que hoje se arrepende de ter deixado todos os planos de lado."

Sabe, mesmo precisando levar um rumo na minha vida, sei que todas as nossas escolhas nos marcam e essas são marcas permanentes. Mesmo assim, não volto no tempo, não me arrependo de nada e acredito sim na experiência forçada, na responsabilidade imediata e por fora sei que já sou bem grande, mas lá dentro no meu mais íntimo, sei que sinto falta e que nada irá votar a ser como era antigamente. 

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Resgatada

Depois de uma era, quase uma vida, eu voltei a postar. Ê, podem soltar fogos, mas agora eu voltei pra valer, eu acho. Ando meio estressada e bem sem paciência com tudo. Semana que vem tenho provas e nessa semana tive várias provas no outro curso, enfim, estou me estrepando. E para aqueles que me acham maluca, ainda estou elaborando um TCC ai, que tá meio que me tirando o sono, sem contar que tô engolindo um livro de 500 paginas de Direitos Humanos. Minha vida está uma bagunça só! 
Mas voltando ao prometido, nessa semana eu descobri o tanto que nós, mulheres somos imprevisíveis. É incrível, comecei a reparar e acho que a mulherada está ficando louca. Presenciei vários fatos que me deixaram confusa, até comigo mesma e por um momento cheguei a pensa "meu deus, como eu sou insensível". Primeiramente, quero compartilhar que foi engraçado e triste ao mesmo tempo ver uma colega minha escrevendo pra o marido, ou seria ex, sei lá, só sei que eu não entendo como uma mulher chega ao ponto de se rebaixar tanto por um homem.  Não é que eu não tenha feito isso, e teoricamente eu nunca fiz mesmo, mas é complicado. Uma mulher que não se dá o valor ao ponto de colocar o outro a sua frente não conseguirá muita coisa. Não chore por homens, não fique sem comer (só se for pra emagrecer) e nada de perturbar as amigas porque ele te deu um fora. Compensa mais se vingar dele, do que ficar se machucando mais. 
Sei que não sou do tipo mais romântica, e prefiro ignorar os machos de plantão, mas outra coisa me surpreendeu muito. Percebi que mulheres são piores que os homens. Sim, são bem piores. Geralmente usamos, abusamos e depois jogamos fora. E esse papo de sentimentalismo está quase em extinção. Estamos bem ciente de que o príncipe encantado não existe mais, e que o jeito é se divertir com os sapos, ou pererecas (sociedade moderna oxi), mas o grande feito é que o romantismo está em falta e antes que me taquem uma pedra, eu estou sentindo muita, mais muita saudades dele. 
Flores, passeios, conversas no msn, no telefone, mãos dadas, abraços e carinhos e até mesmo uma frase bonitinha, faz toda a diferença. Você fica mais alegre e seus amigos agradecem. 
E voltando ao problema de fim de namoro, fim de casamento, fim de ficada (se é que existe) não se desespere, porque o mundo dá voltas, a vida não é longa e você precisa curtir cada momento, seja com alguém, ou sozinha, o lance é sentir o tempo passar por você. 
Agora eu vou tentar resolver meus problemas amorosos mal resolvidos, meus trabalhos mal acabados, meus livros mal lidos e minhas amigas mal co..., amadas! 
bjos bjos,

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

SER E ESTAR.

Todo mundo acaba se perdendo e esquecendo que ser estar não são a mesma coisa. E por incrível que pareça eu fico imensamente feliz em saber dessa diferença. Primeiramente que quando você é, você simplesmente é! Parece lógico isso, mas vamos complicar um pouquinho as coisas. A palavra SER, quer dizer que é algo definitivo, você não pode mudar a condição dessa coisa, e nem muito menos mudar a serventia daquilo. Por exemplo, os vínculos de sangue, mãe e pai, irmãos e toda a parentada, eles ganham o prêmio da denominação do ser. Eles são seus parentes, seu sangue e por isso você não pode mudar esta condição e mesmo que tente é algo impossível de fazer. 
Passando para a palavra ESTAR, é classificada como temporária, pois esta coisa ou pessoa está temporariamente cumprindo o papel que lhe propuseram. Dificilmente você irá transformar algo que simplesmente é temporário para definitivo. Se ele nasceu para ser temporário, quer dizer que se por acaso se tornar definitivo, ele não estará cumprindo e seguindo a lei das coisas. Se você está achando isso tudo muito irreal, já mostro a vocês onde eu quero chegar. 
Quando se está namorando, ou até mesmo em um casamento, temos a mania de nos referimos a pessoa como se fosse nossa, como se ela tivesse nascido pra nós e a sua utilidade é nos agradar e fazer com que nos sentimos bem. Mas a verdade que a condição desta pessoa não é de Ser, e sim de Estar. Ela Está ao nosso lado, ela está nos acompanhando e não é meu companheiro de jornada. Ninguém é de ninguém e se não houver esse vínculo que nos une pelo sangue, o estado a ser empregado é apenas o Estar. 
Ai me vem aquela pessoa chata que não se conforma com as coisas do jeito que elas são e me pergunta: E os amigos verdadeiros? E a alma gêmea? Ai eu como sou muito paciente respondo: amigos verdadeiros estão na condição do Estar, pois de amigo para inimigo é um pulo, basta você cata o namoradinho da guria que ela vira uma jararaca e vai te odiar pelo resto da vida. Já a questão de alma gêmea, se você acha que o mané ao seu lado, que está no momento morrendo de amores por você, não irá te largar quando aparecer uma musa linda, maravilhosa dos cinemas. Essa é a verdade, e é por isso que quando se termina um namoro você não deve ficar cabisbaixa, tristinha achando que iria ser para sempre, porque isso é tudo ficção. Mas olhe pelo lado bom, do mesmo jeito que o manézinho passou, outro irá entrar no lugar dele, você irá se apaixonar novamente e vai até esquecer de tudo o que já passou. E lembre-se, essa pessoa está somente como sendo sua, e não é sua. Pense nisso!

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Proporcionalidade e Razoabilidade


Primeiramente quero deixar bem claro que depois de tempos sem postar algo decente, eu decidir colocar a cabeça pra funcionar e escrever sobre algo realmente culto, com conteúdo, para mostrar que apesar de tudo eu sou um ser pensante. Vou falar das questões de Proporcionalidade e Razoabilidade. Antes que você pare de ler e pense "para de escrever sua idiota", aconselho que leiam até o fim, vale a pena.
Quero ressaltar que alguns autores dizem que proporcionalidade e razoabilidade são sinônimos. Mas eu estou aqui para argumentar que uma coisa não é igual a outra. O princípio da proporcionalidade é subdividido em três partes, sendo elas: Adequação, Necessidade e Ponderação. Para que isso não fique tão abstrato, deixe eu citar alguns exemplos. 

  • Quando você resolve terminar um namoro, mas não quer magoar a outra pessoa, o que você faz? Você vira pra ela e manda ela tomar no canudinho! Nesta ocasião, você está usando o critério de razoabilidade, porque assim você não irá ter que ficar argumentando e aguentando toda a melação de sempre. Porém, você é uma pessoa sensata e resolve utilizar o critério de proporcionalidade, ai você analisa. 1° é adequado eu terminar um namoro que não quero mais através da conversa. 2° será que é realmente necessário eu mandar a coitadinha da pessoa ir tomar em algum lugar?! Ai é que a coisa complica, não é necessário para alguns casos e portanto nem poderíamos seguir com o plano de termino de namoro desta maneira. 
  • Você está andando na rua calmamente e vem um bandido com uma faca e tenta te roubar, você armado, dá um tiro na mão dele, chuta ele até pedir perdão e vai embora. Claro que será em legítima defesa e não tem nada de errado nisso. Mas trocando os bandidos, e se fosse uma criança de 11 anos viciada em crack, portando consigo uma antena de carro, você iria lhe dar o mesmo tratamento que deu ao bandido anterior? Não mesmo, ai a regra da ponderação entra em cena,  a força usada para um nem sempre deve ser utilizada para outro. 
  • Um exemplo de problema de proporção, é o que antigamente existia uma lei do adultério, que como punição às pessoas que pulavam a cerca, era o  apedrejamento.- Imagina só, iria faltar pedra aqui no Brasil pra tanta gente! Ok que isso não vem ao caso-. E por outro lado, quem cometia homicídio cumpria uma pena mais leve e nunca que iria ser apedrejado. Enfim, acho que todo mundo conseguiu captar o grande erro né?!
É fato que nem sempre é utilizado o critério de proporcionalidade e quem no final paga o pato somos nós. A grande questão é a seguinte, resolvi colocar este tema aqui no blog, porque está em todos os lugares que a lei da ficha limpa talvez não terá valor para essas eleições. Sei que mesmo ela passando pelo princípio da proporcionalidade e ter tido sucesso no seu objetivo, acontece que estão querendo promulgar essa lei somente em 2012 (alguma coisa assim), e isso é uma falta de respeito com o cidadão, pelo seguinte fato; se essa lei não entrar vem vigor logo nestas eleições, iremos ver empreguinados na política o Roriz, o Maluf e mais um monte de corruptos no poder e com o nosso consenso. Depois quando algum cidadão com coragem usa a razoabilidade e joga uma pedra na cabeça de um gente fina desses, ele é preso, não fica em uma cela de 3x3 e ainda é taxado de louco. Queria eu ter a oportunidade, pois pode ter certeza que coragem não falta.Um dia ainda venceremos e teremos a justiça realmente sendo feita. 

sábado, 18 de setembro de 2010

Eu duvido.

Duvido que exista esse tal do amor. Sei lá, as coisas são tão confusas que nem ao menos sabemos defini-lo.Confio mais nos efeitos da coca cola e da batatinha sobre o meu organismo, do que uma definição forçada sobre o que seria o amor. É algo tão falso como eu fingir que sou super natural. Pegamos músicas, poesias, textos de outrem e achamos que assim estamos colocando o que realmente sentimos. Sou meio do contra e acho que tudo na vida gira a base de interesses. Não é uma visão fria e sim realista do que realmente acontece. Não nos relacionamos com outras pessoas se não temos algo em mente, e não é questão de ser algo premeditado, fazemos tudo isso tão involuntariamente que nem percebemos.Por exemplo, se me oferecem uma coca cola eu até finjo que simpatizo com a pessoa. Não sou oferecida e nem fácil ok, o fato é que a vontade pela coca fala mais alto. 
A nossa percepção do belo, do bonito e do que vale a pena, varia a cada hora e em um momento achamos que já sabemos de tudo e no outro vemos como tolos nós somos. Não conheço nem um terço do mundo, passei tanto tempo tentando decifrar o que as outras pessoas sentiam e esqueci de mim. Não me conheço, não me reconheço e a cada dia me surpreendo mais comigo mesma. Nunca imaginei que iria aguentar tudo o que estou passando e nem que iria por um momento me deixar levar. Sentimentalista, sempre pensei muito no que os outros iriam achar e acabava ficando mal por não fazer o que eu queria. Mas de uns tempos para cá, conceitos antigos que me deixavam vulnerável as relações, acabei deixando eles em algum lugar que não me lembro mais. E está tão bom assim. Voltando ao fulaninho do amor, ele que venha atrás de mim, cansei de procurar, de perseguir e sempre quebrar a cara. E mesmo que falem que ele existe, que ele é real, a cada dia eu vou chegando a conclusão de que ele é mera fantasia, uma mascara para os reais efeitos e interesses. Acredito sim na carência, na felicidade, carinho,  bem estar, borboletas no estômago, no ódio e até mesmo na paixão ou tesão, sei lá como chamam, mas o Amor é difícil viu. Se um dia ele bater em minha porta como o papai noel faz todo o natal, eu escrevo um texto bem melequento e posto no blog, ai sim vocês poderão tirar um sarrinho da minha cara.
Enquanto esse dia não chega, eu me divirto com a minha mistura de H3PO4 , CO2, cafeína e aromatizantes. 

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

O tal do amor.






Amar é algo tão estranho.
Estamos sempre a procura da pessoa perfeita, aquela que complete o nosso outro lado, a solução dos nossos problemas e uma paz interior. Reclamamos que esta pessoa nunca aparece e quando ela um dia chega, a transformamos em Deuses e esquecemos que todos nós somos meros humanos. É difícil deixar passar uma decepção, um briga e um arrependimento. Mas já imaginou se nada disso existisse? Os amores seriam perfeitos de mais e nada teria tanta graça de ser vivido. 
Gostamos de nos arriscar, o mais difícil, o mais complicado é o que sempre atrai, não adianta mentir. Queremos sempre o impossível e quando esse se transforma em possível, deixamos de lado pois coisas possíveis não fazem a diferença. O que te alegra não é aquela pessoa que está sempre ao seu lado, o seu porto seguro. E sim aquela que aparece na sua vida, te vira de cabeça pra baixo, abala suas estruturas e depois vai embora. Essa pessoa sim deixará uma marca e você se lembrará sempre dela, com algum sentimento, mas se lembrará. Já a outra, coitada, você sempre a tem quando  bem entender. 
Nos apaixonamos por um olhar, por um sorriso e até mesmo por um cheiro. Amores platônicos, amores de amizades e amores de pura ocasião. Amores imaginários, amores antigos, amores a distância, amores masoquistas. Se amar fosse tão ruim não o faziamos tanto. Aprendi a nunca esperar de mais dos outros e com isso, esses tais amores não se tornam destrutivos e sim passageiros. Eles apenas passam e deixam lembranças boas, experiências de um velho amor, que só te deixará mais forte e preparada para um esperado recomeço. Não procure o perfeito e sim o viável. Se esqueça de todas as definições do melhor e aposte no diferente. Deixe de lado todas as opiniões formadas e se arrisque. E caso tudo não dê certo, olhe para o horizonte e imagine que em algum lugar, existe uma outra pessoa passando pelo mesmo que você, a sua espera. 



"A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida."
-Vinícius de Moraes

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

consumo, logo existo!

De um tempo para cá, andei relendo algumas coisas sobre o mundo globalizado e não me aguentei e tive que vir correndo escrever sobre algumas coisas.
Percebi no meio dessas leituras que no mundo do consumismo, da tecnologia e do capitalismo, as pessoas são forçadas a entrarem em um ciclo vicioso, o de trabalhar e consumir. E está mais do que claro que você só sobrevive a uma sociedade com esses moldes se você de algum jeito obtiver renda e gastá-la, o dinheiro é tudo. Daqui a um tempo precisaremos de dinheiro até mesmo para respirar. Aprendemos desde pequenos a comprar, a gastar e a cobiçar o que a propaganda nos oferece. É claro que com os avanços da tecnologia, todo um equipamento perde a sua utilidade no outro dia porque foi substituído por um mais avançado. E por ai vai, esquecemos das coisas boas e práticas da vida.
Você já tentou ficar um dia sem gastar? Pois é, eu aprendi com o tempo que não irei morrer se ficar sem um chicletes, sem uma bala e sem aquela blusinha linda que eu vi na vitrine hoje. Não irá quebrar as minhas pernas se eu for andando pra faculdade que fica a uns 30 minutos de casa. E antes que me chamem de pão duro, eu não sou do tipo que economiza pra ficar comprando coisas caras. Apenas não gosto de gastar com coisas fúteis. Mil vezes andar todo dia durante 1 hora, correr na praça e sentir o vento batendo no meu rosto. Acho que estou virando natureba e se o destino assim quiser lá vou eu. Vou resgatar o skate que estava parado e voltar a me estribuxar no chão. O único gosto que ainda dou para os capitalistas de plantão, é a coca cola diária, que poxa vida, já estou tão viciada que me dói a cabeça pensar em ficar um dia sem um gole. Preciso urgente de um C.A, e quem saiba eles, colocatras anônimos me ajude. 

sábado, 11 de setembro de 2010

Felicidade

É estranho pensar que passamos a vida inteira construindo e objetivando coisas, para no final todos nós chegarmos em um  caminho idêntico. Todos entramos em um caminho em busca do melhor, em busca da felicidade. Não nos importamos com o alheio, e antes que um fale "nossa que egoísta", a verdade é essa, somos todos cobertos por um narcisismo que não tem fim. Alguns são totalmente afoitos e buscam a felicidade momentânea, porém essa não dura tempo suficiente para suprir o vazio dentro de nós. Vale mais a busca pela felicidade contínua, aquela que irá lhe acompanhar por um longo tempo, mas essa não tem garantias de que será a mais fácil e prazerosa. 
Acredito que devemos viver o momento sim, nos sentirmos bem é um meio de fuga para todos os problemas, todos os obstáculos que temos que vencer nessa nossa caminhada. Mas não penso que viver o momento sem pensar no futuro seja a forma mais racional de trilhar a sua história. Costumo dizer que na vida não existem acasos, é tudo uma questão de predestinação. O futuro já está escrito e por mais que você mude e mude novamente, quem te garante que na linha que o futuro preparou para você, não seria desta maneira?! Não podemos descobrir o que acontecerá amanhã, não adianta jogar cartas e nem recorrer a uma bola da cristal. O único jeito de descobrir o amanhã é vivendo, mesmo que seja difícil e penoso, que não te restam mais forças, é preciso acreditar, e até utilizar de uma felicidade momentânea, para mais na frente você bater no peito e dizer, EU SOU FELIZ!

terça-feira, 7 de setembro de 2010

E o grande problema é pensar?

O porque disso e qual o significado daquilo.
Cheguei a conclusão que o grande problema do ser humano é pensar. Seria possível viver no automático e nem por um momento pensar nos porquês da vida?
As pessoas desde pequenas foram ensinadas a procurarem respostas, procurando nas religiões, na ciência ou simplesmente se conformando com as poucas respostas e seguindo em frente até o fim de seus dias. O sentimento de falta prevalece.
Quando eu era mais nova, me apeguei a religião. Isso para alguns amigos meus chega a ser engraçado, mas eu já participei de um circulo, já rezei, já fui na evangélica, na católica, na espirita, em terreiro de umbanda e aprendi a respeitá-las e respeitar principalmente quem resolveu segui-las. Mas para mim não deu mais. Muitas perguntas e poucas respostas. E quando elas vinham, acabavam sendo superficiais e complexas. Não que o mundo não seja complexo, mas sempre precisei de respostas concretas.
Resolvi me apegar a algo mais concreto, me apeguei a Ciência. Lá eu tenho todas as respostas, só que algumas acredito eu por já ter passado pela catequização, fica difícil de engolir. Eu até queria acreditar cegamente em qualquer balela em que me submeterem, mas ai vem aquela perguntinha, mas porque? E afinal, porque eu tenho mesmo que acreditar?
Não posso negar que sinto uma enorme curiosidade em saber como tudo funciona, e apartir do momento em que eu percebo como as coisas realmente são, me decepciono mais. Acho que deveria fazer Psicologia ao invés de Direito, mas vai saber né, sonho é sonho. Criei um caminho e estou compreendendo melhor o sentido das coisas. Quando sinto a necessidade de aprender, corro e leio, mesmo que seja leitura inútil, eu leio, creio no conhecimento dos homens e apartir desse conhecimento eu faço o meu próprio. Vivo em constante mudança e a cada livro que eu leio, cada conversa, cada experiência, eu me sinto mais forte, mais preparada e quem sabe um dia eu consiga me preencher.
Acredito no milagre da PCR, em clonagens, em acasos. Acredito no valor do ser humano, na vontade e oportunidade de mudar o mundo. Creio em mim mesma, no controle do meu corpo e na força de vontade por buscar algo sempre melhor.  Acredito que o coletivo modifica a história, mas o individual é quem realmente a cria. Cada pessoa uma história, cada indivíduo uma consciência.

Criando situações

Aconteceu no sábado passado, mas como sou péssima de lembrar casos, acabei deixando passar, porém hoje vim aqui contar.
Combinei de ir buscar a preguiça do Harry na casa dele e de lá resolveríamos o que   fazer durante o dia. Chegando lá havia um outro amigo nosso, comemos sorvete até encher, fiquei com uma cara de tédio escutando eles falarem sobre jogos e mais jogos. Ai de tanto insisti consegui tirar eles de lá e fomos ao shopping, dar uma volta e conversar mesmo, nada de compras porque isso no meu vocabulário não existe mais. Andamos e andamos, nada de busão, o dia estava lindo, quente e havia muita gente na rua. Lá dentro do shopping por sorte não encontrei nenhum conhecido e a cada emo que passava, ele me cutucava e agente fingia que não conhecia, ou que não tinha visto mesmo. O Dih foi embora porque precisava trabalhar, ai ficamos enrolando que nem uns bestas a espera de um milagre, o da preguiça passar e voltar pra casa. Como o Harry é um homem decidido e educado, resolveu me deixar em casa (casa da tia) porque estava tarde e eu sei que lá no fundo ele adora ficar falando abobrinhas com minha tia.
Ai é quem começa a verdadeira estória! Interfonei e meu tio atendeu. Meu tio é uma espécie de homem super inteligente, mas nunca se sabe quando ele está de bom humor, sem contar com o fato dele ser super tradicional. Voltando ao interfone, ele me atendeu e eu logo perguntei se minha tia estava em casa já, ele disse que não e abriu o portão. Jogou a chave do resto dos portões do prédio pela janela e quando bateu o olho no Harry, já fechou a cara, só pude escutar um - Vai subir agora?- e eu respondi - Não, melhor não, daqui a pouco eu vou-. Depois disso eu já imaginei a cara dele, resolvi nem subir com o garoto pra evitar comentários desagradáveis. Ficamos no portão conversando e combinamos de ir ao matsuri no final de semana que vem, dei uns conselhos amorosos pra ele e nesse meio tempo minha tia aparece na janela e manda agente subir, provavelmente o maridão não estava mais lá. Subimos e comemos, papo vai e papo vem, meu tio chega. Agora imaginem a cena "Eu sentada ao lado do Harry, com o seu braço sobre meu pescoço e o outro me abraçando. Minha tia na cozinha atrás da porta rindo da situação, meu tio com uma cara de espanto, o garoto com a cara mais safada e lavada do mundo e eu tirando sua mão de cima de mim e rindo sem graça." É eu fiquei com vergonha, cada uma viu!  Quebrando o gelo da situação, reuniu todos na sala e até meu primo que nunca comprimentou ninguém, foi lá falar com o garoto, meio que mostrando quem é o macho da casa. Houve algumas implicâncias com o Harry, mas acho que ele nem percebeu, é tão cara de pau que nem liga. Inventei uma desculpa de que ele teria que ir embora e isso já se passava das 9 da noite. O acompanhei até o portão e o assunto se encerrou.

O pior de tudo foi ficar escutando da minha tia que meu namoradinho é devagar, que é sarrista e que curtiu a situação. Mais pior ainda foi meu tio perguntando para ela o que o piá era meu. Namorado, ficante, peguete. Nem respondo mais, ele é somente meu AMIGO! E antes que venham as piadinhas, nem temos uma amizade colorida, só palhaçadas para alegrar o momento. Mas deixe que eles pensem né, aliás, pensamento nunca casou ninguém, ou já? Enfim, tento não pensar muito nisso, e Harry, só você para me entupir de sorvete, falar abobrinhas, andar quilometros comigo, falar da roupa alheia e ainda ser lerdo ao ponto deu quase pegar as menininhas por você. Espero que eu não precise fazer isso, seria algo totalmente fora do meu padrão e constrangedor. Adoro você brother e ainda vou te beliscar por criar esse tipo de situação.



Passeios com você são inesquecíveis, lembra desse né? hehehe, bobão!

sábado, 4 de setembro de 2010

Calor

Eita curitibanos de plantão, a coisa tá feia por aqui hein? Então, para aqueles que não sabem, aqui em Curitiba está fazendo uma onda de calor que a muito tempo eu não sentia. Estamos na primavera mas com cara de verão, e gota de chuva? passa longe daqui, estou até desconhecendo a nova Londres.
Pense você, normalmente acordamos as 7 horas da manha e saímos cheios de casacos e sobretudo para se proteger do frio de arrepiar, ai as 10 você fica quase semi-nu pelo calor que cozinha e lá pelas 7, veste novamente o sobretudo porque começa a sair fumacinha pela boca. Mas ultimamente a coisa por aqui está estranha. Acordando 6 da manha, de shorts curto e camisetinha, olho pela janela e todo mundo sem os casacos habituais. As 10 horas da manha, tem neguinho torrando no sol, todo mundo passando mal e com garrafinhas de agua tentando se hidratar, e é nessas horas em que eu sinto falta da minha coca cola geladinha! As 22 horas quando saiu da faculdade, está tão quente que vou embora de apé e a cidade não está morta, muito pelo contrário, muita gente fazendo exercícios físicos e aproveitando o calor inesperado.
Ai eu lhe pergunto, o que aconteceu que tá muito mais quente por aqui?
 Os ambientalistas e defensores da natureza diriam que é culpa do aquecimento global, que estamos acabando com o nosso planeta e que os sintomas do problema começam a se intensificar. 
Os andarilhos e mendigos diriam que é algo divino que mandou uma forcinha para sua sobrevivência, ou que essa mesma força divina teve pena e os está compensando por dias difíceis que viveram a meses atrás. 
Os desinteressados dirão que adoram calor e que tanto faz, dá até pra beber chop ao invés de chocolate quente. 
Os religiosos dirão que é culpa dos nossos pecados e que o Apocalipse está perto e que todos seremos perseguidos se não pararmos de fornicar e não doarmos nossas vidas ao senhor. 
E eu como adoro o calor, adoro vestir pouca roupa e adoro de verdade ver curitibano irritado com aquelas alergias do sol, digo que estou adorando tudo isso, e se vamos acabar mal de qualquer jeito, que o nosso ilustre convidado senhor do calor infernal, suba e traga com ele uma coca cola gelada e uns churrasquinhos para podermos prosear e trocar experiências.

obs: espero que esse calor continue até o fim do feriadão, no calor tudo funciona bem.
bjos